June 29, 2008

Escrevendo sua tese

Eu queria falar também sobre a escrita da minha tese (ou documentos muito longos). Reaproveitar textos já escritos, organizar referências, numerar as equações, tabelas e figuras, formatação, etc pode ser uma tarefa difícil para processadores de texto (MS Word, OpenOffice Writer e outros) quando os textos são muito longos e cheios de figuras e equações. Quase perdi o documento da minha tese de mestrado por causa disso. Quase tive que fazer o que o carinha da figura ao lado fez. Por isso, uma recomendação: use Latex!

Não conhece Latex? Latex é um sistema de editoração de textos com alta qualidade (gratuito e com código livre). O Latex usa um algoritmo para organizar e formatar o texto da melhor forma possível para o olho humano. Traduzindo: a formatação dos textos fica ótima e são extremamente bonitos. Isso é bem interessante, pois o usuário pode focar sua atenção ao conteúdo do texto e não em sua formatação (deixa que o Latex se preocupa com isso).

O problema é que você escreve o texto incluindo certos comandos para criar capítulos, seções, equações, negrito, itálico, etc. O manuscrito é escrito em um simples arquivo texto (editor de textos simples) , como um código fonte de um programa em Fortran ou C (para quem gosta de programar, o Latex é um prato cheio!). Depois disso, você usa o Latex para interpretar esse arquivo texto e criar um documento pdf. Veja um pequeno exemplo de um texto escrito em Latex e seu resultado nesse link.

Os mais céticos já devem estar desconfiados. Sei que no início você vai me xingar, dizer que eu sou louco e que o doutorado deve ter fritado meus miolos. Eu sei porque eu disse a mesma coisa quando eu vi Latex pela primeira vez: "Como assim vou escrever algo que eu tenho que compilar para gerar meu texto??? Que isso?? Tá maluco!". Mas as (inúmeras) vantagens em usar Latex irão aparecer conforme o aprendizado for avançando. Pode confiar!

Uma dica é começar pelo mais básico mesmo. Exemplo a exemplo é possível entender o funcionamento e os códigos do Latex. Existem várias fonte na internet. Veja esses sites:
Note que o Latex é o interpretador e construtor dos arquivos pdf (dvi, ps ou html). Os arquivos fonte (textos com extensão .tex) podem ser escritos em programas específicos para tal. Nestes, os comandos de Latex estão listados na forma de botões e barras de ferramentas para facilitar o uso e aprendizado. No Linux, eu uso o Kile e para Windows, usei o TeXnicCenter. Para quem (ainda...) usa Windows, procure pelo MiKTex (versão de Latex para o Windows).

E você? Já usa Latex? Comente e dê sua opinião sobre esse assunto.

Desenvolvimento do OpenFOAM 1.5 beta

Bem, essa notícia já está ficando até velha...

A OpenCFD anunciou o desenvolvimento da versão 1.5 do OpenFOAM, que atualmente está em fase de testes. Os avanços desta nova versão estão no desenvolvimento de novas aplicações (escoamento multifásico, transf. de calor, escoamentos em alta velocidade e até dinâmica molecular), novos utilitários (malha e monitoramento das simulações) e a implementação de novos modelos (Lagrangeanos, radiação, etc).

Dos pontos que eu achei mais interessantes, destaco:
  • Desenvolvimento do interDyFoam, que aplica a abordagem VOF (acompanhamento de superfície) para a simulação isotérmica de escomentos bifásicos incompressíveis e considerando malhas móveis (modificam com o tempo). Outros solvers usando VOF também foram desenvolvidos.
  • Migrando do Paraview 2.4 para o Paraview 3.3 para visualização de resultados, que, na minha opinião, tem um grande salto de qualidade e facilidade de uso.
  • Novas ferramentas para construção automática de malhas split-hex (hexaédricas) a partir de geometrias STL.
  • Implementação específica para escoamentos rotacionais (turbomáquinas).
Além desses, existem vários outros pontos tem destaque nessa nova versão. Mas deixei para que você veja no anúncio oficial do início dos testes do OpenFOAM 1.5beta.

Agora, vamos aguardar o anúncio da liberação oficial desta versão para o usuário final.

June 28, 2008

Sou doutor, mas não faço consulta médica!

Olá, pessoal!

Acabou! Trabalho concluído! Tese defendida! E título de doutor no nome!

Para falar a verdade, não acredito que o título em si seja o mais importante. Acho que o que realmente faz a diferença é o que vi, estudei, pensei e fiz durante o período de 4 anos do doutorado. E a piada é que quando fui chamado de Dr. Luiz pela primeira vez, perguntaram também qual era o preço da consulta, o melhor remédio para uma dorzinha de garganta, uma manchinha na pele, etc. Bem... "Dá para simular???", eu respondi.


Esses últimos dois meses foram bastante turbulentos e não teve k-epsilon (ou SST) que me ajudasse. A finalização da escrita, apresentação e os detalhes da vinda do Prof. Jasak (leia Iasak) ao Brasil tomaram meu tempo. Acho até que esse último foi o que me deixou mais ansioso, pois teria um convidado internacional na banca, eu teria que apresentar o meu trabalho em inglês e eu queria (e exigia) fazer isso direito!

No final das contas tudo correu muito bem. Consegui apresentar a minha tese com calma, passando por todos os detalhes do meu trabalho e conectando os assuntos de forma a ficar tudo coerente e didático. Não pude evitar uns dois ou três tropeços no inglês, mas nada que fosse crítico. Fiquei satisfeito com o resultado.


Durante a argüição, fiquei mais tranquilo ainda e os membros da banca disseram que gostaram do trabalho desenvolvido e suas dúvidas (que foram poucas) foram prontamente respondidas. Mas o que eu mais gostei foram as sugestões propostas pela banca. Gostaria de compartilhar uma das sugestões com vocês:
Quando fizer uma revisão bibliográfica sobre algum tema em que o laboratório (ou empresa, instituto, etc) esteja atuando, não esqueça de incluir os trabalhos do seu grupo no texto. Por exemplo, eu fiz uma revisão sobre simulações em colunas de borbulhamento e, apesar de não ser diretamente aplicada ao meu trabalho de tese, disse que isso é o alvo da pesquisa do meu grupo (LTFD/PEQ/COPPE/UFRJ). Mas não citei nenhum trabalho do grupo. Putz, que furo!
Lembre-se de colocar uma revisão com o histórico dos trabalhos do seu grupo referentes ao assunto revisado. Isso vai ajudar ao leitor a entender melhor o porque e a necessidade do seu trabalho para os avanços da pesquisa do grupo.
Eu vou fazer essa modificação (e outras) para a versão final do documento da tese. Posso dizer que estou muito mais tranquilo agora, depois que tudo já acabou (e acabou muito bem!).

Por fim, gostaria de agradecer ao meu orientador e amigo Paulo Lage, a todos que apoiaram o meu trabalho, aos membros da banca, aos que conviveram (pessoalmente e virtualmente) comigo nesse período de tese, aos leitores do Notas e seus comentários. In special, I would like to thank very much Dr. Jasak who, during two weeks among us, helped, advised and taught me many things (related to CFD or not). I can tell you that you left in Brazil not only a "new born" doctor, but a friend as well. Obrigado a todos.

Tiras em quadrinhos retirados do site: http://www.phdcomics.com/